Na cadeia

na cadeia os bandidos presos!
o seu ar de contemplativos!
que é das feras de olhos acesos?!
pobres dos seus olhos cativos

passeiam mudos entre as grades,
parecem peixes num aquário.
– campo florido das saudades,
porque rebentas tumultuário?

serenos… serenos… serenos…
trouxe-os algemados a escolta.
– estranha taça de venenos
meu coração sempre em revolta.

coração, quietinho… quietinho…
porque te insurges e blasfemas?
pschiu… não batas… devagarinho…
olha os soldados, as algemas!

Camilo Pessanha