Palavras

Diogo Dória diz Mário Cesariny, Rui Cinatti, Ricardo Reis e Carlos de Oliveira. João Fiadeiro revisita a sua criação “I am sitting in a room different from the one you are in now”.

Isaque Ferreira diz Bocage e João Habitualmente. Manuel João Vieira interpreta dois temas de sua autoria e improvisa um poema.

Cirilia Bossuet diz Alda Lara e Gisela Casimiro. Wavovádio Gomes e Luísa Bossuet dançam “Rebita” de Banda Maravilha e “O Anel” de Dina Santos.

Luca Argel lê Carlos Drummond de Andrade e Luca Argel. Ana Deus lê Ana Farrah Baunilha e Regina Guimarães. Ambos interpretam um tema da sua autoria, “Barrow on Furness”, com poema de Fernando Pessoa.

Nuno Moura lê Alexandre O’Neill e Mário Cesariny e Nuno Moura. Carlos Zíngaro toca duas peças de sua autoria, “Figura” e “Saída”.

Paulo Campos dos Reis diz poemas de António Ramos Rosa. Francisco Camacho dança a partir de “O Aprendiz Secreto” de Ramos Rosa numa criação original.

Pedro Lamares, ator e diseur, junta-se ao músico Andrés “Pancho” Tarabbia, numa criação original sobre os poemas e inspiração do incontornável poeta Herberto Helder.

Teresa Coutinho diz poemas de David Mourão-Ferreira e de Raquel Nobre Guerra. Noiserv interpreta dois temas de sua autoria, «Dezoito» e «Vinte e Três».

Beatriz Batarda diz poemas de Natália Correia e Filipa Leal. Vera Mantero dança sobre material sonoro em torno de Natália Correia numa criação original.

Poema da Semana

E a Vida foi, e é assim, e não melhora.
Esforço inutil, crê! Tudo é illuzão…
Quantos não scismam n’isso mesmo a esta hora
Com uma taça, ou um punhal na mão!

Mas a Arte, o Lar, um filho, Antonio? Embora!
Chymeras, sonhos, bolas de sabão.
E a tortura do além e quem lá mora!
Isso é, talvez, minha unica afflicção…

Toda a dor pode suspportar-se, toda!
Mesmo a da noiva morta em plena boda,
Que por mortalha leva… essa que traz…

Mas uma não: é a dor do pensamento!
Ai quem me dera entrar n’esse convento
Que ha além da Morte e que se chama A Paz!

António Nobre, in ‘Só’

Palavras

para o século XXI

Texto de Gonçalo M Tavares e ilustração de Rachel Caiano