Palavras

Diogo Dória diz Mário Cesariny, Rui Cinatti, Ricardo Reis e Carlos de Oliveira. João Fiadeiro revisita a sua criação “I am sitting in a room different from the one you are in now”.

Isaque Ferreira diz Bocage e João Habitualmente. Manuel João Vieira interpreta dois temas de sua autoria e improvisa um poema.

Cirilia Bossuet diz Alda Lara e Gisela Casimiro. Wavovádio Gomes e Luísa Bossuet dançam “Rebita” de Banda Maravilha e “O Anel” de Dina Santos.

Luca Argel lê Carlos Drummond de Andrade e Luca Argel. Ana Deus lê Ana Farrah Baunilha e Regina Guimarães. Ambos interpretam um tema da sua autoria, “Barrow on Furness”, com poema de Fernando Pessoa.

Nuno Moura lê Alexandre O’Neill e Mário Cesariny e Nuno Moura. Carlos Zíngaro toca duas peças de sua autoria, “Figura” e “Saída”.

Paulo Campos dos Reis diz poemas de António Ramos Rosa. Francisco Camacho dança a partir de “O Aprendiz Secreto” de Ramos Rosa numa criação original.

Pedro Lamares, ator e diseur, junta-se ao músico Andrés “Pancho” Tarabbia, numa criação original sobre os poemas e inspiração do incontornável poeta Herberto Helder.

Teresa Coutinho diz poemas de David Mourão-Ferreira e de Raquel Nobre Guerra. Noiserv interpreta dois temas de sua autoria, «Dezoito» e «Vinte e Três».

Beatriz Batarda diz poemas de Natália Correia e Filipa Leal. Vera Mantero dança sobre material sonoro em torno de Natália Correia numa criação original.

Poema da Semana

Conscientemente escrevo e, consciente,
medito o meu destino.

No declive do tempo os anos correm,
deslizam como a água, até que um dia
um possível leitor pega num livro
e lê,
lê displicentemente,
por mero acaso, sem saber porquê.
Lê, e sorri.
Sorri da construção do verso que destoa
no seu diferente ouvido;
sorri dos termos que o poeta usou
onde os fungos do tempo deixaram cheiro a mofo;
e sorri, quase ri, do íntimo sentido,
do latejar antigo
daquele corpo imóvel, exhumado
da vala do poema.

Na História Natural dos sentimentos
tudo se transformou.
O amor tem outras falas,
a dor outras arestas,
a esperança outros disfarces,
a raiva outros esgares.
Estendido sobre a página, exposto e descoberto,
exemplar curioso de um mundo ultrapassado,
é tudo quanto fica,
é tudo quanto resta
de um ser que entre outros seres
vagueou sobre a Terra.

António Gedeão, in “Poemas Póstumos”

Palavras

para o século XXI

Texto de Gonçalo M Tavares e ilustração de Rachel Caiano