Palavras

Diogo Dória diz Mário Cesariny, Rui Cinatti, Ricardo Reis e Carlos de Oliveira. João Fiadeiro revisita a sua criação “I am sitting in a room different from the one you are in now”.

Isaque Ferreira diz Bocage e João Habitualmente. Manuel João Vieira interpreta dois temas de sua autoria e improvisa um poema.

Cirilia Bossuet diz Alda Lara e Gisela Casimiro. Wavovádio Gomes e Luísa Bossuet dançam “Rebita” de Banda Maravilha e “O Anel” de Dina Santos.

Luca Argel lê Carlos Drummond de Andrade e Luca Argel. Ana Deus lê Ana Farrah Baunilha e Regina Guimarães. Ambos interpretam um tema da sua autoria, “Barrow on Furness”, com poema de Fernando Pessoa.

Nuno Moura lê Alexandre O’Neill e Mário Cesariny e Nuno Moura. Carlos Zíngaro toca duas peças de sua autoria, “Figura” e “Saída”.

Paulo Campos dos Reis diz poemas de António Ramos Rosa. Francisco Camacho dança a partir de “O Aprendiz Secreto” de Ramos Rosa numa criação original.

Pedro Lamares, ator e diseur, junta-se ao músico Andrés “Pancho” Tarabbia, numa criação original sobre os poemas e inspiração do incontornável poeta Herberto Helder.

Teresa Coutinho diz poemas de David Mourão-Ferreira e de Raquel Nobre Guerra. Noiserv interpreta dois temas de sua autoria, «Dezoito» e «Vinte e Três».

Beatriz Batarda diz poemas de Natália Correia e Filipa Leal. Vera Mantero dança sobre material sonoro em torno de Natália Correia numa criação original.

Poema da Semana

Somos nós
As humanas cigarras.
Nós,
Desde o tempo de Esopo conhecidos…
Nós,
Preguiçosos insectos perseguidos.

Somos nós os ridículos comparsas
Da fábula burguesa da formiga.
Nós, a tribo faminta de ciganos
Que se abriga
Ao luar.
Nós, que nunca passamos,
A passar…

Somos nós, e só nós podemos ter
Asas sonoras.
Asas que em certas horas
Palpitam.
Asas que morrem, mas que ressuscitam
Da sepultura.
E que da planura
Da seara
Erguem a um campo de maior altura
A mão que só altura semeara.

Por isso a vós, Poetas, eu levanto
A taça fraternal deste meu canto,
E bebo em vossa honra o doce vinho
Da amizade e da paz.
Vinho que não é meu,
Mas sim do mosto que a beleza traz.

E vos digo e conjuro que canteis.
Que sejais menestréis
Duma gesta de amor universal.
Duma epopeia que não tenha reis,
Mas homens de tamanho natural.

Homens de toda a terra sem fronteiras.
De todos os feitios e maneiras,
Da cor que o sol lhes deu à flor da pele.
Crias de Adão e Eva verdadeiras.
Homens da torre de Babel.

Homens do dia-a-dia
Que levantem paredes de ilusão.
Homens de pés no chão,
Que se calcem de sonho e de poesia
Pela graça infantil da vossa mão.

Miguel Torga, in “Odes

Palavras

para o século XXI

Texto de Gonçalo M Tavares e ilustração de Rachel Caiano