De Longe

Não chores Mãe… Faz como eu, sorri!
Transforma as elegias de um momento
em cânticos de esperança e incitamento.
Tem fé nos dias que te prometi.

E podes crer, estou sempre ao pé de ti,
quando por noites de luar, o vento,
segreda aos coqueirais o seu lamento,
compondo versos que eu nunce escrevi…

Estou junto a ti nos dias de braseiro,
no mar…na velha ponte,… no Sombreiro,
em tudo quanto amei e quis p’ra mim…

Não chores, mãe!… A hora é de avançadas!…
Nós caminhamos certos, de mãos dadas,
e havemos de atingir um dia, o fim…