Poeta

Florbela Espanca foi uma mulher nascida antes do tempo. Há na sua vida e obra uma dolorosa nostalgia do futuro, porque nele pressente outras formas de liberdade para a mulher, que a sua época lhe negou.

1894 | POETA

Florbela Espanca

Foto: Carmo Montanha

vida e obra

Batizada como Flor Bela Lobo, opta por se autonomear Florbela d’Alma da Conceição Espanca,

Fez os estudos liceais em Évora e em 1919, partiu para Lisboa, onde frequentou o curso na Faculdade de Direito. Nesse mesmo ano, publicou o seu primeiro livro de poemas, O Livro das Mágoas e colaborou, literariamente, em diversas revistas e jornais, tais como “O Notícias de Évora” e a “Seara Nova”.

Florbela Espanca foi uma das primeiras feministas de Portugal.

A sua poesia é conhecida por um estilo peculiar, com forte teor emocional, onde o sofrimento, a solidão, e o desencanto estão aliados ao desejo de ser feliz.

Tudo na sua vida é luta permanente para ser de corpo inteiro: amores e desamores, sonhos e deceções, literatura e reconhecimento. 

Dos seus três casamentos não nascem filhos.
Suicidou-se com o uso de barbitúricos, no dia em que faria 36 anos, às vésperas da publicação da sua obra prima “Charneca em Flor”, que foi publicada em janeiro de 1931. 

Em 1949 foi publicado “Cartas de Florbela Espanca”.

“E é amar-te, assim, perdidamente…
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!”

Excerto de "Ser Poeta" | 1931

O poeta no parque

Espaço fechado – o pátio – metáfora de uma clausura, sem janelas para o mundo.

Leitura Escultórica
Escultura
Os braços e as mãos de Florbela estão numa postura que deixa antever entre eles e o corpo uma abertura para a luz que vai definir o recorte da anca e do torso. Os pés são “excessivos” na posição em que estão, o que tem a ver com a própria sustentação da escultura. Foi esculpida em pedra Verde-Serpa, o Rosa-Creme de Vila Viçosa, de onde era natural, e o Negro de Ruivina (na cabeleira).

Leitura Poética
A poesia de Florbela a que a escultura faz referência denuncia uma mulher para além do seu tempo, lutando contra os preconceitos a favor do amor livre. Poesia da resistência. A pose de sensualidade é da poetisa que encontra na catarse a libertação e a grita a plenos pulmões ao mundo!

partilhar
conteúdo relacionado

Nota Biográfica

Nascimento: 08 de dezembro de 1894 – Vila Viçosa
Morte: 08 de dezembro de 1930 – Matosinhos

Ler Mais Ler Melhor

Vida e Obra de Florbela Espanca

Ser Poeta

Interpretado pelos Trovante

Silêncios: Se tu viesses ver-me

Parque dos PoetaS

Pétala 44

Mecenas: PIMENTA E RENDEIRO, Urbanizações e Construções S.A.

Localização

  • poemas
  • palavras
  • recursos
  • bibliografia

 

 

Não existem ainda palavras para apresentar sobre este poeta.

 

 

 

 

Não existem ainda recursos para apresentar sobre este poeta.

 

 

 

 

Consulte a sua obra no catálogo das Bibliotecas Municipais de Oeiras. Clique aqui.