Poeta

Pedro António Correia Garção foi um poeta português. Frequentou a Universidade de Coimbra mas não terminou os estudos. Exerceu o cargo de escrivão na Casa da Índia. A sua atenção pública e literária apresentou-se mais ou menos obscura. Pouco a pouco antes de morrer incompatibilizou-se com o Marquês de Pombal.

1724 | POETA

Correia Garção

foto: Carlos Santos

vida e obra

Pedro António Correia Garção nasceu em 1724 e morreu em 1772 em Lisboa. Foi educado no seio de uma família constituída por um pai alto funcionário dos Negócios Estrangeiros e uma mãe francesa, tendo feito estudos no colégio dos Jesuítas em Lisboa, seguindo depois Direito em Coimbra.

Foi alto funcionário do Estado e secretário particular de Pombal.

A sua vocação literária revelou-se no poeta ainda quando pertencia à Academia dos Ocultos. Interessou-se pela imitação, um princípio básico da poética clássica e sobressai como verdadeiro representante do espírito moderno e defensor do papel da crítica como móbil do progresso.

O dom para poetizar o banal que a tradição poética dos grandes temas relegava para o lugar subalterno do estilo humilde é uma das características mais importantes da personalidade literária de Correia Garção.

É um ilustre representante do realismo português e um iluminista convicto, denunciando um Portugal preconceituoso e intolerante.

“Oh mil vezes feliz o que encerrado
Entre baixas paredes
O tormentoso Inverno alegre passa;”

Oh Mil Vezes Feliz

o poeta no parque

partilhar
conteúdo relacionado

Nota Biográfica

Nascimento: 13 de junho de 1724 – Lisboa
Morte: 10 de novembro de 1772 – Lisboa

Só a Poesia nos Salvará

Pequena Biografia e leitura de Poema

AMOR, QUE MIL CILADAS ME TRAÇAVA

Parque dos PoetaS

Pétala 14

  • poemas
  • palavras
  • recursos
  • bibliografia

 

 

Não existem ainda palavras para apresentar sobre este poeta.

 

 

 

 

Não existem ainda recursos para apresentar sobre este poeta.

 

 

Consulte a sua obra no catálogo das Bibliotecas Municipais de Oeiras. Clique aqui.