Escultora

“Gostava de desenhar, decidi concorrer e entrei na então Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, que ainda não era faculdade. Tirei várias especialidades, entre as quais pedra e metais, ainda a implementação das máquinas para talhe direto”.

1956 | escultorA

Luísa Perienes

foto: Carlos Santos

Escultora

vida e obra

Licenciou-se em Artes Plásticas (Escultura) em 1979 na ESBAL e começou nesse ano a sua atividade como escultora depois da experiência de trabalho em barro com o escultor Euclides Vaz e de um Curso Intensivo de escultura em pedra com João Cutileiro no AR.CO.

Obteve o grau de Doutora em Maio 11 pela Universidade de Lisboa e leciona na Faculdade de Belas Artes em Lisboa. O seu trabalho, na sua maioria em pedra, que é a sua especialidade, pode dividir-se em dois campos: um de carácter mais intimista em que privilegia a representação do feminino e se prende com questões ligadas à condição humana, outro em que as esculturas são composições de sólidos remetendo para a temática da obra. 

Sobre a inspiração que a motiva a realizar as suas obras, Luísa Meireles diz que certo dia “ao falar com um dos meus mestres da Escola Superior de Belas Artes, o mestre Euclides Vaz, perguntei-lhe pela inspiração. Ele respondeu-me: olha, filha, trabalha, trabalha!”.
Estas são palavras que guarda consigo desde esse momento e que fazem para si todo o sentido: “É isto mesmo. Nós podemos ter ideias. Os escultores, os pintores, os artistas podem ter ideias. Essas ideias têm de ser trabalhadas”.

Tem esculturas públicas em Évora, em Roterdão na Holanda, em Setúbal, em Alfândega da Fé e em Leiria.

O escultor no Parque dos Poetas

“Sobre o mundo onde estou encontro-me isolado,
e erro como estrangeiro ou homem doutras eras,
talvez por um contrato irónico lavrado
que fiz e já não sei noutras subtis esferas.”

Excerto de "O Visionário (ou som e cor)" | 1875
partilhar
conteúdo relacionado

Nota Biográfica

Nascimento: 1956 – Setúbal

Parque dos PoetaS

Pétala 26

Poeta: Gomes Leal

Localização