Escultor

Expõe pela primeira vez em 1964, e desde então tem participado em inúmeras exposições individuais e coletivas em Portugal e no estrangeiro, destacando-se a sua participação na 17ª Bienal de São Paulo, em 1983, e mais recentemente a exposição individual “Esculturas e Desenhos 1980-2012”, no Museu Abade Pedrosa, Santo Tirso, em 2012.

1940 | escultor

Zulmiro de Carvalho

foto: Carlos Santos

vida e obra

Licenciou-se em Escultura na Escola Superior de Belas Artes do Porto, onde foi professor de 1969 a 1995. Fez uma pós – graduação na St. Martin’s School of Art, em Londres, com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian.

Trabalha, num primeiro momento, com o metal (ferro, bronze e aço), combinando-o depois com materiais como a pedra e a madeira, em obras que se caracterizam pelo uso de formas simples e repetitivas, modulares e normalmente geométricas. Remetendo para o minimalismo, a sua obra caracteriza-se também por uma preocupação dada ao espaço envolvente enquanto elemento relevante na sua composição.

A obra escultórica de Zulmiro de Carvalho parte de um desenho cuidadoso, é executada por técnicos habilitados e caracteriza-se pela simplicidade, sobriedade e grandiosidade das suas estruturas.

Desenvolvendo o seu trabalho nas áreas da escultura e do desenho, desde 1967 tem participado em exposições coletivas no país e no estrangeiro e em simpósios internacionais de escultura.

Realizou várias exposições individuais e foi premiado diversas vezes. Autor de esculturas monumentais na região do Porto, em Oeiras, na Coreia do Sul e em Macau, China. Mecenato da Escultura

O escultor no Parque dos Poetas

“Onde espalhava a brisa
Sussurro harmonioso,
Enquanto do éter puro
Descia o Sol radioso,”

Excerto de "A voz" | 1838
partilhar
conteúdo relacionado

Nota Biográfica

Nascimento: 12 de março de 1940 – Gondomar

Parque dos PoetaS

Pétala 22

Palavras do Escultor

“O diálogo do público com a arte escultórica contemporânea dependerá sempre do que cada observador encontra dentro de si, enquanto fruidor da mesma. No caso concreto da minha obra, penso que ela pode convidar ao recolhimento, à leitura, ou a uma paragem no tempo poético do silêncio, remetendo para a poesia e memória de Alexandre Herculano.”

Zulmiro de Carvalho in Oeiras em Revista Julho 2015

Localização