Agenda

Parque dos Poetas

Poema do dia

É urgente o amor 
É urgente um barco no mar 

É urgente destruir certas palavras, 
ódio, solidão e crueldade, 
alguns lamentos, muitas espadas. 

É urgente inventar alegria, 
multiplicar os beijos, as searas, 
é urgente descobrir rosas e rios 
e manhãs claras. 

Cai o silêncio nos ombros e a luz 
impura, até doer. 
É urgente o amor, é urgente 
permanecer. 

in “Até Amanhã” | 1951

prelo

A Recording Academy, responsável pela atribuição dos prémios GRAMMYs anunciou cinco novas categorias entre as
Ler mais

“Não sei o que o amanhã trará – um passeio sonoro na Lisboa de Fernando
Ler mais

Poetry Out Loud é um programa educativo Norte Americano que visa encorajar a descoberta e
Ler mais

lyrikline é um site internacional para experienciar a diversidade da poesia contemporânea. Pode ouvir as
Ler mais

Beatriz Batarda diz poemas de Natália Correia e Filipa Leal. Vera Mantero dança sobre material sonoro em torno de Natália Correia numa criação original.

Culto

EPISÓDIO 1 – Beatriz Batarda + Vera Mantero

Beatriz Batarda diz poemas de Natália Correia e Filipa Leal. Vera Mantero dança sobre material sonoro em torno de Natália Correia numa criação original.

Palavras

para o Século XXI

Palavras para o Século XXI é uma iniciativa da Câmara Municipal de Oeiras que conta com palavras e texto de Gonçalo M Tavares e ilustração de Rachel Caiano. Leia, releia e guarde.

Play Video

Poema da semana

Os Navios existem, e existe o teu rosto
encostado ao rosto dos navios.
Sem nenhum destino flutuam nas cidades,
Partem no vento, regressam nos rios.

Na areia branca, onde o tempo começa,
uma criança passa de costas para o mar.
Anoitece. Não há dúvida, anoitece.
É preciso partir, é preciso ficar.

Os hospitais cobrem-se de cinza.
Ondas de sombra quebram-se nas esquinas.
Amo-te… E entram pela janela
as primeiras luzes das colinas.

As palavras que te envio são interditas
até, meu amor, pelo halo das searas;
se alguma regressasse, nem já reconhecia
o teu nome nas suas curvas claras.

Dói-me esta água, este ar que se respira,
dói-me esta solidão de pedra escura,
estas mãos noturnas onde aperto
os meus dias quebrados na cintura.

E a noite cresce apaixonadamente.
Nas suas margens nuas, desoladas,
cada homem tem apenas para dar
um horizonte de cidades bombardeadas.

Eugénio de Andrade in As Palavras Interditas

Masterclasse

“Pessoa foi humorista?”

Com Ricardo Araújo Pereira e moderação de Nicolau Santos.
Veja ou reveja esta sessão do ciclo de Masterclasses “Pessoa convida Pessoas”.

Documentário

"Morreu o poeta Herberto Helder”

Um documentário imperdível sobre uma das figuras mais enigmáticas do panorama literário nacional.