Poeta

Manuel Maria de Barbosa l’Hedois du Bocage foi um poeta nacional português e, possivelmente, o maior representante do arcadismo lusitano.
Foi um tradutor rigoroso do latim e do francês, vertendo para o nosso idioma textos de Ovídio, Museu, Lacroix, Voltaire, Delille, Pierre Rousseau, entre outros.

1765 | POETA

Bocage

foto: Carlos Santos

vida e obra

Manuel Maria Barbosa du Bocage, publicou o primeiro volume das Rimas em 1791 (o segundo saiu em 1799) e foi convidado a fazer parte da Academia das Belas Artes ou Nova Arcádia que reunia no Palácio do Conde Pombeiro, presidindo Domingos Caldas Barbosa – Lereno – às quartas-feiras. É aí que toma o nome arcádio de Elmano Sadino.

Uma certa aura de génio e infortúnio mitificou o poeta; gravuras e poemas ajudaram a fixar a sua imagem: rosto moreno, cabelo em farripas, olhos azuis. O que se diz eles revelarem – “pureza, grande amargura na boca” – evidencia a pujança autobiográfica que ressuma da sua poesia. Exaltado, impaciente, volúvel, inadaptável, são características que se lhe apontam. Tudo acrescentado a uma sensibilidade irritável.

A poesia de Bocage é uma poesia claramente classicista. Apesar de tudo, é da sua irreverência e consciência libertária de uma individualidade violentamente original que brotará a semente que permitirá aos românticos encontrar outros modos de exprimir a interioridade.

O conceito de poeta que Bocage representa é pois o do manuseador da linguagem como instrumento de um poetar capaz de dizer – copiando – a verdade natural e não a do poeta como agente de uma imaginação desregradamente inovadora.

“Mas em vão, porque o porco é bom só para assar,
E a sua ocupação dormir, comer, fossar.
Notando-lhe a ignorância, o desmazelo, a incúria,
Soltavam contra ele injúria sobre injúria.”

Excerto de "O Leão e o Porco" |

o poeta no parque

partilhar
conteúdo relacionado

Nota Biográfica

Nascimento: 15 de setembro de 1765 – Setúbal
Morte: 21 de dezembro de 1805 – Lisboa

A alma e a Gente

Bocage (demo) - 2006

Miguel Guilherme recita Bocage e O'Neill

Parque dos PoetaS

Pétala 19

Escultor: João Antero

  • poemas
  • palavras
  • recursos
  • bibliografia

 

 

Não existem ainda palavras para apresentar sobre este poeta.

 

 

 

 

Não existem ainda recursos para apresentar sobre este poeta.

 

 

 

 

Consulte a sua obra no catálogo das Bibliotecas Municipais de Oeiras. Clique aqui.